18
Sab, Nov

Marília - Santo Antônio

Contato

marilia santoantonioPARÓQUIA SANTO ANTÔNIO
(Cong, Sagrados Estigmas de Nosso Sr. Jesus Cristo, CSS)

Pe. Elizio Pereira da Anunciação Filho, CSS, Pároco
Pe. José Roberto Silva Souza, CSS, Vigário Paroquial
Diác. Alexsandro Silva Ferreira, CSS

Rua Prudente de Moraes, 528 C.P. 139
17504-081 MARÍLIA - SP
Sec.: (14) 3454-6002/Res. (14) 3413-5985
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Horário de atendimento da secretaria:
Segunda a sexta-feira das 8h às 11h/12h às 17h
Sábado das 8h às 11h

Missas

Dia Horário Local
Segunda 19h30 Matriz
Quarta à sexta 16h Matriz  
Quarta à sexta 19h30 Matriz  
Sábado 19h30 Matriz  
Domingo 7h Matriz  
Domingo 19h30 Matriz  
Quinta 7h15 Matriz  
Domingo 10h30 Matriz

 

 

História

Antes de ser paróquia, a Igreja Matriz de Santo Antonio foi a primeira capela de Santo Antonio do Alto Cafezal (antigo nome de Marília). Construída pelo Sr. Antonio Pereira da Silva, pioneiro em Marília.

A inauguração ocorreu em dezembro de 1924, com uma missa celebrada pelo Pe. Arnaldo Goetz. Cinco anos depois, em dezembro de 1929, iniciou-se a construção da segunda capela de Santo Antonio. A celebração de inauguração ocorreu em 3 de agosto de 1930, porém a parte interna do novo templo foi totalmente finalizada somente em 1934.

A paróquia Santo Antonio de Marília foi a segunda paróquia da cidade, criada por decreto de 29 de setembro de 1936, assinado por Dom Henrique César Fernandes Mourão, bispo de Cafelândia (pertencente naquela época) e o chanceler, o Pe. Luiz Octávio Bicudo de Almeida, conforme código de direito canônico nº 515 parágrafo 3º.

A nova paróquia teve por sede o bairro da mesma cidade chamado bairro Santo Antonio, ficando desmembrada da paróquia São Bento de Marília, ficando instituído, conforme exigência do direito canônico, a doação de parte do território, e seus limites agora pertencentes à nova paróquia e submetida à jurisdição do sacerdote e seus sucessores canonicamente que lhe sucederam no cargo.

O primeiro pároco empossado foi o Pe. Victor Ribeiro Mazzei em 04 de outubro de 1936 às 10 horas da manhã; ficou responsável por diversas obras da paróquia, uma delas foi a construção da nova casa paroquial. Na época, a antiga casa foi rifada, sorteada e o ganhador foi o Cel. Cerqueira César e a renda foi aplicada na construção da nova casa paroquial que ao termino recebeu o nome de São João Vianney, em estilo colonial e inaugurada em 11 de setembro de 1938.

Construção da igreja Matriz de Santo Antonio

O lançamento da primeira pedra fundamental da nova igreja Matriz de Santo Antonio se deu em 1º de dezembro de 1940. Foi obra iniciada pelo Pe. Victor. A construção da atual igreja com três grandes torres foi iniciada em 1946 e concluída em 1958.

Na seqüência dos sucessores desta Paróquia: Pe Luis Medeiros Netto em 12 de abril de 1940 (empossado por D. Henrique César Fernandes Mourão), Pe. Herval Maria de Oliveira (vigário auxiliar) em 5 de abril de 1941 e ao Pe. Jose Fortunato da silva Ramos em 16 de maio de 1941.

Chegada dos Padres Estigmatinos

Com a morte de D. Henrique César Fernandes Mourão em 29 de março de 1945, Bispo de Cafelândia, o Mons. Victor Ribeiro Mazzei foi nomeado vigário capitular e assumiu a Diocese de Cafelândia por três anos. Em 1946, Mons. Victor Ribeiro Mazzei convidou os padres estigmatinos da congregação dos Santos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo (CSS) para dirigirem a paróquia. A chegada dos padres estigmatinos Augusto Casagrande e Mario Zuchetto ocorreu em 9 de março de 1946. Os sacerdotes foram recebidos pelo Mons. Victor Ribeiro Mazzei e pelo Pe. Luis Octavio Bicudo de Almeida, outros sacerdotes e centenas de fiéis, através dos quais os referidos padres sentiam-se acolhidos e agradecidos pela amizade manifestada.

Pe. Augusto Casagrande, css, foi nomeado pároco da Paróquia Santo Antonio de Marília, sendo empossado pelo Mons. Victor Ribeiro Mazzei em 10 de março de 1946.

Em 14 de fevereiro de 1950, Pe. Luciano Orlando Giovanni tomou posse como novo pároco da Paróquia Santo Antonio. Posse dada por dada por D. Henrique Gelain, novo bispo de Cafelândia.

Em carta pastoral, D. Henrique Gelain, Bispo de Cafelândia, comunica a transferência da sede Episcopal de Cafelândia para a nova sede na cidade de Lins

Padroeiro

santoantonioFernando de Bulhões, seu nome de batismo, nasceu em Lisboa, Portugal, no dia 15 de Agosto de 1195. Aos 15 anos o filho de Martinho de Bulhões e Teresa Taveira, família abastada de Lisboa, entrou para um convento agostiniano. Em 1220, Frei Fernando, agora com 25 anos, sentiu grande desejo de evangelizar Marrocos, após ter conhecido alguns frades franciscanos que iriam evangelizar muçulmanos naquela região e que, posteriormente, se tornariam mártires, entrou para a Ordem dos Franciscanos. 

Em 1220, já com o nome trocado para Antônio foi pregar no Marrocos. Após um ano de catequese neste país, teve de deixá-lo devido a uma enfermidade e seguiu para a Itália. Em Assis conheceu o próprio Francisco de Assis. 

Tornou-se popular após demonstrar excelência como orador e pregador contra os hereges do norte da Itália, por volta do ano de 1221. Em certa ocasião os hereges impediam o povo de ir aos seus sermões. Frei Antônio foi à beira do Mar Adriático e começou a pregar aos peixes, os quais tiravam a cabeça da água para escutá-lo. 

Após alguns anos de frade itinerante foi nomeado, por São Francisco, o primeiro “Leitor da Teologia” da Ordem. Pouco tempo depois, devido a uma convocação do Papa em que os franciscanos e dominicanos deveriam evangelizar a França, foi para este país e passou três anos lecionando, pregando e fazendo milagres. Na ocasião ocupava o cargo de Custódio do Convento.  Em 1227 foi eleito Provincial da Romanha, na Itália.

Em 1229, com 34 anos e saúde precária, foi morar com seus irmãos franciscanos no Convento de Arcella, perto de Pádua. Deste lugar retirado dedicou-se a escrever os sermões das festas dos grandes santos e dos domingos. 

Em 13 de Junho de 1231, com 36 anos, a caminho de Pádua,  Antônio morreu após uma crise de hidropsia (acúmulo patológico de líquido seroso no tecido celular ou em cavidades do corpo). Foi tanta a repercussão de sua morte e tantos os milagres, que, onze meses após sua morte, foi canonizado pelo Papa Gregório IX. 

Em 1263, quando seu corpo foi exumado, sua língua estava intacta e continua intacta até hoje, numa redoma de vidro, na Basílica de Santo Antônio, em Pádua, onde estão seus restos mortais. 

Mais tarde, em 1934, foi declarado Padroeiro de Portugal. 

E em 1946, o Papa Pio XII proclamou Santo Antônio ‘Doutor da Igreja’, com o título de ‘Doutor Evangélico’.

Invocado pelos fiéis para encontrar objetos perdidos, proteger os pobres, restituir a saúde aos doentes ou ainda para ajudar no casamento, o fato é que Santo Antônio, de Pádua ou de Lisboa, é um grande intercessor por nós junto a Deus. 

Santo Antônio, rogai por nós! Intercedei a Deus por nós!

 

Organização

 não informado