18
Sab, Nov

Marília - N. S. "Rosa Mistica" (Pró-Paróquia)

Contato

PARÓQUIA MARIA MÃE DA IGREJAmarilia nsrosamistica planta

Pe. Danilo Nobre dos Santos, Pró-Paroco

Contato com a Paróquia Santa Isabel de Marília
Av. Brigadeiro Eduardo Gomes, 704
CEP 17514-000 MARÍLIA - SP
Fones: Secretaria: (14) 3433-3404 - 99790-5896
e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.">

Horário de atendimento da secretaria:
Segunda das 13h às 17h
Terça a sexta-feira das 8h às 17h; Sábado das 8h às 11h

 

Missas

 Dia Horário    Local  Obs
 Domingo    10h30   

Colégio Criativo Unidade 1
Rua das Safiras, 45 - Tangará 

 
Domingo 17h

Chácara Kintal - Rua Herminio Butareli,S/N -
Ao lado do Posto 4X4, na Avenida das Esmeraldas 

 
 

História

Em 1995, foi realizada a primeira missa em homenagem a Nossa Senhora “Rosa Mística”, celebrada pelo Padre Rui Félix, da Matriz de Santo Antônio, na Praça Hiroshima, com a participação de cerca de 12 Capelinhas de Nossa Senhora.

Nos idos de 1997, com a celebração de uma única missa por mês, timidamente, com alguns paroquianos somente, iniciávamos a “Igreja Viva”, ou seja, nossa comunidade, que naquela época, ainda, era chamada COMUNIDADE NOSSA SENHORA.

Esses paroquianos aliaram-se a um grupo de oração do bairro Tangará, que movidos por um desejo profundo de construção de uma igreja, não mediam esforços para conseguir junto ao poder público um terreno, no qual seria construído um Centro Comunitário, e, se possível, no futuro, uma Igreja, constituindo, inclusive uma Associação de Moradores de Bairro. Já estávamos em fevereiro de 1998. Nossas missas mensais, com as graças de Deus e a disponibilidade e perseverança do nosso querido Pe. Gabriel, passaram a ser dominicais. Diante do número reduzido de padres, nosso vigário conseguiu um substituto para ele na Igreja São Pio X, e vir celebrar conosco nos deixava ainda mais esperançosos e determinados, mas ainda somávamos em mais ou menos 12 paroquianos. Como já dissemos, a Associação de Moradores nos deu grande ânimo, a nós paroquianos, mesmo que em poucos elementos, e fortalecemos a decisão desta em organizar um bingo em prol da construção da capela. Fomos à luta juntos e conseguimos além da importância material, principalmente a União de todos. E assim caminhamos.

Para convidar os paroquianos desta região para a missa utilizávamos uma faixa que todos os meses era colocada na “pista de Cooper” da Avenida das Esmeraldas; mas com o passar do tempo os elementos que naquela época compunham a Associação encontraram-se sem disponibilidade e os paroquianos necessitaram assumir algumas funções inerentes, principalmente, à Pastoral da Liturgia, à qual sempre determinou o momento de nossos encontros, ou seja, a celebração Dominical da Santa Missa.

Com a venda da Sorveteria das Esmeraldas, local onde era realizada a celebração da Missa, encaminhamo-nos, à Unidade II do Colégio Criativo e por alguns poucos meses ali celebramos. Neste espaço também nasceu a necessidade de propagarmos nossas celebrações além da utilização da faixa, ou seja, de uma forma que fosse mais pessoal e, através dos antigos missionários da paróquia chegávamos aos paroquianos desta região. Depois, viemos para a Unidade I (Rua das Safiras, nº 45) , onde estamos até hoje.

Com a disponibilidade do Colégio Criativo e as necessidades que toda Comunidade tem, iniciamos nossas reuniões formais nas dependências deste, e aos poucos fomos nos organizando. A primeira etapa foi estabelecermos as atividades inerentes à Associação de Moradores e às da Comunidade Nossa Senhora. Com o objetivo em comum de construirmos uma igreja, nos unimos. Assim passamos a ser denominados pela Paróquia de Santa Izabel como COMUNIDADE DE NOSSA SENHORA “ROSA MÍSTICA”.

Com grande esperança e muita força de vontade, sentimos que Deus ia nos conduzindo, e Padre Gabriel com muito amor e dedicação nos assessorava. Fomos em busca de um terreno para a construção de nossa igreja. Encontramos dois. A Associação de Moradores deu o valor da entrada.

A Comunidade assumiu as 15 parcelas restantes e para tal necessitamos realizar uma campanha em prol da aquisição dos terrenos. Muitas foram as visitas e graças a Deus os moradores desta Comunidade abraçaram a causa.

Paralelamente à busca do terreno que iria um dia abrigar nossa Igreja material, fomos também sentindo a necessidade de estabelecermos as Pastorais que nos auxiliariam, no momento, ir formando a nossa Igreja Viva. E assim, nosso irmão Reinaldo Ramos que até então esteve à frente da Pastoral da Liturgia, realizando com muita fé e empenho, tudo o que se relacionava às nossas celebrações, aceita em abril de 1999 iniciar as atividades da implantação da Pastoral do Dízimo.

Substituindo-o encontramos a disponibilidade sem par da nossa querida irmã Denise Fogolin, que com muita boa vontade, inicia ao lado do nosso irmão Paulo Fernandes e demais membros de nossa comunidade, o nosso coral, o qual nos encanta e nos motiva a uma participação reflexiva e alegre, em nossa celebração dominical.

Assim, em junho de 1999, a Pastoral do Dízimo e a Pastoral da Liturgia já tinham suas equipes compostas e ativas. Recebemos, também, nesta época, a confirmação de nossa querida irmã Rosa Parra para estar à frente da Pastoral da Saúde em nossa comunidade. Mesmo que essa Pastoral ainda nos dias de hoje, por falta de dados, não possa estar tão ativa, estamos atendendo as necessidades mais urgentes. Iríamos, então, em busca das demais.

Como nossa comunidade apresenta-se em dimensão geográfica muito ampla e dispersa, havendo muitas construções a serem concluídas, percebemos que a próxima Pastoral a ser constituída seria a da Evangelização, com o sentido de agregação e participação, e assim convidamos, em julho de 1999, Ana e Alfredo Dell’Aringa para a Pastoral da Evangelização. Como comunidade que iniciava suas atividades, tivemos pequena participação nas Festividades da Padroeira da Paróquia de Santa Izabel.

Tivemos ainda a possibilidade de celebrarmos nas dependências do Colégio Criativo a missa em homenagem à Nossa Senhora Rosa Mística, com a participação de outras Comunidades por onde circulam as Capelinhas de Nossa Senhora Rosa Mística, percebendo já a participação de um número maior de fiéis de nossa Comunidade.

Nossa irmã Julita Banwart Andrade vem somar conosco responsabilizando-se pelas atividades inerentes aos Ministros Extraordinários da Eucaristia, que atendem principalmente às pessoas impossibilitadas de participar da Celebração da Santa Missa e que desejam receber a Eucaristia em sua residência.

Com a impossibilidade de Denise Fogolin, por um período, exercer a função de Coordenadora da Pastoral da Liturgia, Marília V. Mazeto a substitui. Na constituição da Equipe de Coordenação Pastoral Comunitária, Rosa Parra aceitou ser a 1ª secretária, e no CAEC – Conselho para Assuntos Econômicos Comunitários, Armindo Fogolin é o 1º tesoureiro e Antonio Parra o 2º.

Mirna e Daércio Galati Vieira vêm somar conosco na Pastoral da Comunicação e já nos surpreende com o boletim “Luz & Fé”, tendo este a sua primeira edição já em setembro de 1999.

Participamos em outubro/1999 da FECONASI, já com algumas atividades sob a responsabilidade de nossa comunidade. Efetuamos alguns sorteios de almoços elaborados pela própria comunidade, bem como, alguns bingos na AABB, com prendas de material de limpeza e alimentos, com o intuito de arrecadação de verbas que auxiliariam as atividades de nossa comunidade.

Em novembro/1999 foi fixada na praça ao lado do Colégio Criativo Unidade I, a placa com um convite permanente a todos os fiéis, para participarem conosco da Celebração da Santa Missa.

Em dezembro/1999 iniciávamos a definição do Projeto de Construção e dos objetivos para 2001. Não conseguimos no primeiro projeto (doação de área pela Prefeitura). Adquirimos mais quatro terrenos em outra área, cuja construção foi embargada pelas normas do estatuto do loteamento. Vendemos esses terrenos e adquirimos um novo terreno de 600 m2, no prolongamento da Avenida das Esmeraldas, nesta cidade de Marília. Em fevereiro de 2013, com autorização de S. Revma. D. Osvaldo Giuntini, Bispo Diocesano de Marília, efetivávamos a planta para o início das obras da nova Igreja, defronte o Residencial “Portal dos Nobres”, com área a ser construída prevista de 688 m2. Para favorecer o projeto arquitetônico da nova Igreja Nossa Senhora “Rosa Mística”, nossa Comunidade conseguiu em parceira com a Prefeitura Municipal, a responsabilidade pela praça pública ao lado da obra.

Em 31 de janeiro de 2015, sob o episcopado de Dom Luiz Antônio Cipolini, enfim, é criada a Pró-Paróquia Nossa Senhora Rosa Mística e como primeiro pároco, é nomeado o jovem padre Danilo Nobre dos Santos que, com muito entusiasmo e dedicação tem conduzido os trabalhos na comunidade e celebrado os Sacramentos. Em fevereiro de 2015, enfim, foi dado início na construção de nossa igreja. Ou seja, finalmente, o sonho começa a se tornar realidade.

Padroeiro

Em uma pequena cidade da Itália chamada Montichiari e no vilarejo chamado Fontanelle da mesma cidade, no ano de 1946, Nossa Senhora apareceu para uma enfermeira chamada Pierina Gilli, nascida no dia 03 de agosto de 1911 (e faleceu no dia 12 de janeiro de 1991).

Em 1944, Santa Maria Crucifixa Di Rosa, fundadora das Servas da Caridade, passou a aparecer para Pierina. A primeira etapa das aparições de Nossa Senhora, foi na cidade de Mon­tichiari no dia 23 para o dia 24 de novembro de 1946 e termina­ram em 08 de dezembro de 1947.

Pierina permaneceu dezenove anos junto às irmãs do Lírio, de Bréscia, acolhida por caridade. Neste período sofreu a paixão de Nosso Senhor.

A segunda etapa das aparições, ainda foi em Bréscia, junto as Irmãs do Lírio, em 05 de abril de 1960.

A terceira etapa das aparições foi no vilarejo de Fonta­nelle no dia 14 de abril de 1966 e terminaram praticamente com a sua morte em janeiro de 1991.

Na primeira aparição, Nossa Senhora trazia cravada no peito enormes espadas. Juntamente com a Virgem Santíssima, apareceu Santa Maria Crucifixa que explicou para Pierina o sig­nificado das três espadas:

• a 1ª simboliza a ruína da vocação sacerdotal e religiosa;

• a 2ª simboliza a vida pecaminosa que muitos sacerdotes levam;

• a 3ª simboliza a traição de Judas e o ódio contra a Igreja e dos sacerdotes que se tornam indignos de exercer seu ministério.

Enquanto Santa Maria Crucifixa falava, a linda Senhora aproximou-se de mim, diz Pierina, então pude enxergar duas espessas lágrimas que corriam de seus olhos e percebi a sua doce voz que dizia:

“Oração, sacrifício e penitencia”.

Na aparição seguinte dia 13 de julho de 1947, Nossa Senhora aparece com três lindíssimas rosas no lugar das espa­das, de cor branca, vermelha e amarela dourada, que signifi­cam:

• Rosa branca indica o espírito de oração;

• Rosa vermelha indica o espírito de sacrifício e de abnegação;

• Rosa amarela dourada indica o espírito de penitência.

Em seguida, tomando a palavra com um tom de voz de autoridade, que nos transmita uma ordem recebida de Deus, disse:

“Nosso Senhor envia-me para levar uma nova devoção Mariana em todos os institutos e congregações religiosas, mas­culinas e femininas, também os sacerdotes seculares. Prometo a todos os institutos ou congregações que me honrarem que serão por mim protegidos, terão uma maior florescência de devoções e menos vocações traídas, menos pessoas que ofen­dem ao Senhor como pecado mortal e grande santidade entre os ministros de Deus”.

 

Organização

Coordenador do CPP Vera
Vice Rosângela
Secretário Daércio
Tesoureiro Joaquim / Julita
Liturgia Julieta / Júlia
Ministros, Acólitos e Comissão de Eventos Rosângela
Comunicação Daércio / Mirna
Comissão de construção Mauro / Carlos
Acolhida Marilene / Magnes
Visitas às casas Carlos
Missas nas casas Mara
Músicos Carlinhos / Daniela
Dízimo Reinaldo / Julieta